LESÕES POR GRANADA - BLAST

Na prova de Delegado de Polícia do Estado do Rio de Janeiro do ano de 2009 foi cobrado ao candidato o conhecimento das lesões através do instrumento vulnerante granada. Nesse sentido, precisamos estudar o tema com certa atenção e cautela.

Características das lesões: As lesões externas apresentam-se numerosas, representadas por escoriações irregulares, equimoses, lacerações, amputações e queimaduras, que podem chegar à carbonização. As lesões internas mais frequentes são provocadas por barotrauma pulmonar com rotura alveolar, embolia gasosa arterial, contusões e lesões viscerais diversas causadas pela ação perfuro-contundente dos fragmentos da granada ou contundente, em razão dos objetos arremessados contra a vítima. 

Vestígios na vítima: O corpo da vítima costuma ficar impregnado com resíduos oriundos da explosão, tais como fuligem, graxa e fragmentos do invólucro da bomba.

** Importante destacar que os danos produzidos em locais abertos em virtude da explosão de granada tendem a apresentar menor gravidade do que em recintos fechados, onde o efeito do blast é ampliado.

- A literatura médico-legal traz 4 modalidades de blast:

1. Blast Primário – resulta da onda de choque propriamente dita, em razão da explosão;

2. Blast Secundário – causado pelo lançamento de fragmentos, como estilhaços ou projéteis colocados no interior da granada, além de pedaços de objetos arremessados em razão da onda de choque.

3. Blast Terceário – Consiste no na onda de choque que atua sobre as pessoas ao redor da explosão, jogando-as contra o solo e objetos diversos.

4. Blast Quaternário – causado por outras lesões e doenças relacionadas ao trauma, que não relacionados aos outros três níveis de blast, tais como: queimaduras, esmagamentos, intoxicações, lesões cerebrais, distúrbios respiratórios, cardiovasculares e metabólicos.