REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE

Quando encontrada no local do crime uma quantidade ínfima de liquido biológico do suposto autor do delito, o processo de identificação do criminoso deve ser realizado através de uma técnica para multiplicação do DNA. O processo realizado para subsidiar a colheita probatória sem que haja risco de perda das amostras chama-se PCR – REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE. 

Em resumo, o procedimento visa multiplicar o fragmento de DNA para possibilitar maior conteúdo de amostras em relação à quantidade de exames necessários.

** Veja como costuma ser cobrado: 

(CESPE - 2011 - PC-ES - Médico Legista) - Infelizmente a PCR não pode ser aplicada à análise de amostras de RNA, pois ainda não se conhece nenhuma enzima capaz de promover a transcrição reversa. 

GABARITO: ERRADO.

** Candidatos ao Concurso de Delegado de Polícia do Estado do Rio de Janeiro, fiquem atentos aos conceitos do PCR, pois os examinadores desse certame costumam apresentar alto grau de exigência sobre a temática "identificação".